Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2019
Imagem
O Laboratório Químico e as invasões francesas As invasões francesas foram um factor de grande instabilidade no funcionamento da instituição universitária. Alguns professores da Faculdade de Filosofia prestaram relevantes serviços para a defesa contra os franceses. Em 1808 vários estudantes da Academia de Coimbra alistaram‑se num batalhão que, sob o comando de Tristão Álvares da Costa, major de engenharia e lente de Cálculo, combateu os franceses. Por sua vez, os lentes formaram outra secção, capitaneada por Fernando Fragoso de Vasconcellos, primeiro lente da Faculdade de Cânones. O próprio Vice‑Reitor, Manuel de Aragão Trigoso, tinha sido chamado para ocupar o cargo de Governador-Geral da cidade. No ano lectivo de 1810/1811 a Universidade permaneceu encerrada. Neste período o Laboratório Químico desempenhou um papel fundamental na resistência contra a ocupação francesa. Foi transformado numa verdadeira fábrica de munições de guerra. O seu director, o químico Thomé Rodrigues
Imagem
UMA UNIVERSIDADE QUE MORA EM APOSENTOS REAIS                                                                                                                       Foto de Vitor Murta Com pouca e episódica concorrência, a Universidade de Coimbra teve, até às vésperas da Primeira Guerra Mundial, o exclusivo do ensino universitário no país A história da Universidade de Coimbra (UC) confunde-se não apenas com a da cidade onde foi instalada em 1308 por D. Dinis, e à qual regressou definitivamente com D. João III, mas com a própria História de Portugal. E não apenas por motivos simbólicos, como o de ocupar um edifício, o Paço das Escolas, que viu nascer boa parte dos monarcas portugueses da primeira dinastia, mas porque formou, durante séculos, as elites que foram governando o país. Não surpreende, portanto, que os momentos de viragem na história da Universidade de Coimbra correspondam, grosso modo, aos períodos de transformação da sociedade portuguesa, da revolução re
Imagem
     REAL CAPELA DE S. MIGUEL O edifício da Capela de S. Miguel foi construído provavelmente no século XII e era usado como oratório privativo do antigo Paço Real. A estrutura atual foi o resultado de trabalhos e reforma do Paço Real, dirigidos durante o século XVI por ordem de D. Manuel . A estrutura arquitetónica de estilo manuelino é visível no portal exterior, nos janelões e no arco cruzeiro. A decoração interior foi realizada nos séculos XVII e XVIII, transformando este espaço num ambiente sumptuoso e com harmonia, onde se destacam os tetos, o revestimento azulejar, o altar-mor, o Sacrário e o Órgão. No teto do altar está representada a Divina Sapiência, figura mítica que representa a sabedoria. Destacam-se ainda os emblemas das Faculdades maiores, segundo a antiga organização universitária: Teologia, Cânones, Direito Civil e Medicina. O grande retábulo, que reveste o altar-mor, data do séc. XVIII e é ornamentado de talha dourada com um grande trono central. Do seu
Imagem
OS 4 NÚCLEOS DE COIMBRA PATRIMÓNIO MUNDIAL  A área património mundial divide-se em quatro grandes núcleos arquitetónicos e históricos que correspondem aos momentos de criação, desenvolvimentos, reestruturação e consolidação da Universidade de Coimbra: - Colégios da Rua da Sofia , onde a história da Universidade começou - Pátio das Escolas , o coração da Universidade de Coimbra, com sedimentos moçárabe, memórias da 1ª dinastia portuguesa e uma das bibliotecas mais belas do mundo - Edifícios da reforma pombalina , marcas da revolução do conhecimento no século XVIII - Complexo do Estado Novo , face da mudança da Alta de Coimbra                                                                                  Foto de Gonçalo Saraiva  Núcleo 1 Foi na Baixa da cidade, na Rua da Sofia. Sofia, claro, de Sabedoria que a história da Universidade de Coimbra se erigiu a partir da transferência definitiva para Coimbra em 1537. Uma rua que rasgou o medievalis
Imagem
Foto de Vitor Murta da exposição A POSTCARD FROM COIMBRA 2018 SALA GRANDE DOS ATOS ou SALA DOS CAPELOS Este espaço foi antiga Sala do Trono (no atual Paço das Escolas moraram, entre 1143-1383, a maioria dos reis da 1ª dinastia portuguesa) e aqui decorreram episódios importantes da História de Portugal, como a aclamação do rei D. João I em 1385. Com a instalação da universidade no Paço, a Sala dos Capelos tornou-se a principal sala da Universidade de Coimbra, pois é aqui que se realizam as cerimónias mais importantes da vida académica. A configuração atual desta sala data da renovação realizada em meados do século XVII. As paredes desta sala foram revestidas de azulejos tipo tapete, fabricados em Lisboa, e o teto, de madeira, renovado com 172 painéis que apresentam motivos grotescos (representando monstros marinhos, índios, sereias, plantas). Nas paredes podem observar-se os retratos de todos os reis portugueses - desde D. Afonso Henriques até D. Manuel II – com a exce
Imagem
A PORTA FÉRREA A entrada, nos Paços Reais de Coimbra, era bem diferente do que hoje vemos. E, certamente por não se coadunar com o edifício: «No Conselho de 13 de Janeiro de 1595 se assentou que por estar indecente a porta primeira do Terreiro da Universidade se mandasse fazer hum portal novo e humas portas novas, como convem a tal lugar.» Sôbre a porta de entrada do terreiro dos paços, no tempo de D. João III, deve ter havido um relógio, como prescreve a carta de 19 de dezembro de 1539. (Prof Mário Brandão, Documentos, etc, vol I, pág 230). A obra de engrandecimento dos edifícios da Universidade não é de hoje nem de ontem. Já em 20 de Maio de 1557 D. João III determinava q ue não se aforassem nem se dessem os chãos em torno aos paços reais de Coimbra e que neles se construissem edificios . Essa visão da cidade universitária, durante muito tempo em pensamento parece que vai entrar em intensa atividade. Uma comissão executiva está em exercício sob a presidência do Vice-Reitor Pr