Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2021
Imagem
 O mais antigo documento do acervo arquivístico Temos presente o mais antigo documento existente no acervo do AUC. Não podemos deixar de admirar, como este suporte em pergaminho, bem conservado, apesar dos vincos de dobragem e de algumas manchas, nos apresenta um admirável texto redigido em latim, em letra visigótica, que coloca à prova, uma atenta leitura paleográfica. Está inserido no acervo da Colegiada de Santa Maria da Oliveira de Guimarães (PT/AUC/DIO/CSMOG), tendo já sido estudado por Alexandre Herculano, apesar do ilustre historiador ter utilizado cópias tardias do documento em questão. Esta Colegiada teve origem no antiquíssimo Mosteiro fundado pela Condessa Mumadona Dias, cerca de 950. Todos os monarcas exerceram a proteção régia sobre a Colegiada, razão pela qual se intitulava Insigne e Real Colegiada. A datação do presente documento encontra-se em Era Visigótica, tendo sido o seu ano convertido para a Era Cristã. Fonte: https://www.uc.pt/anossauc/centrodoconhecimento/antigo
Imagem
Visita Régia de D. Pedro V à Universidade O Reitor da Universidade, Basílio Alberto de Sousa Pinto, fez publicar, em 26 de novembro de 1860, o programa aqui apresentado saído da Imprensa da Universidade. Deste programa constava, precisamente, a forma como o Rei D. Pedro V deveria ser recebido, nos dias 27 e 28 de novembro de 1860. Revela todos os passos dessa visita, cujas manifestações de júbilo, pela presença régia, se fizeram logo sentir, com o lançar de girândolas de foguetes e o repicar do sino da Torre da Universidade, mal foi avistada, por uma vigia que ali estava na Torre, a chegada do cortejo real, à ponte da Água das Maias. No seu regresso de uma viagem ao Porto, à Exposição Agrícola, parou em Coimbra por dois dias, visitando a Universidade e seus departamentos. Presidiu à entrega dos prémios aos alunos, no dia 28, a que se seguiu o beija-mão real, por todo o Corpo Académico. D. Pedro V manifestou o desejo de regressar, mais demoradamente, num ano próximo, visita que não foi
Imagem
Menina e Moça Não foi a primeira mas é ainda mais rara, pode dizer-se raríssima, esta edição da obra maior de Bernardim Ribeiro. A grande especialista deste autor português, a Doutora Carolina Michaëlis de Vasconcellos, depois de ter publicado as Obras de Bernardim e de Falcão (segundo a edição de Ferrara, de 1554), não tinha visto desta edição qualquer exemplar, antes de 1924. Este volume precioso deu entrada por oferta do colecionador Joaquim Freire em 21 de fevereiro de 1933 e está valorizado com uma encadernação em pele vermelha decorada a ouro, em mimosa caixa de madeira, acolchoada de veludo rosa. Foto de João Armando Ribeiro, 2008 Fonte: https://www.uc.pt/anossauc/centrodoconhecimento/menina/
Imagem
Cadeia da Universidade André Lopes da Cunha, carcereiro da Universidade, certifica que vira os livros de registo dos presos da Universidade e neles localizara a detenção, entre 20 de outubro de 1765 e 30 de maio de 1766, de Manuel António de São José, natural de Freixianda, então pertencente ao concelho de Ourém. Este aluno, frequentava então a cadeira de Instituta, seguindo depois a Faculdade de Cânones, até 1771. Já hoje não podemos consultar esses livros de registo dos presos, pois eles não sobreviveram, ao devir do tempo. Apenas este depoimento nos dá a conhecer a sua existência. Apesar desta perda documental, existem no Arquivo da Universidade muitos outros testemunhos da existência de uma jurisdição privativa da Universidade, “o foro privativo”, que foi abolido em 1834. Os pequenos delitos de insubordinação, a falta de cumprimento das normas estatutárias, levavam à admoestação verbal, ou por escrito, ou ainda à detenção por alguns ou vários dias, como o documento em questão nos r
Imagem
Um livro xilográfico chinês A China inventou a impressão quase mil anos de Gutenberg. A técnica chinesa usava placas de madeira onde os textos e desenhos eram gravados invertidos em relevo, e o papel era calcado manualmente. É a xilografia. Quando os jesuítas chegaram à China, no século 16, existia toda uma indústria de produção de livros xilográficos. Os missionários ainda tentaram introduzir o prelo e os carateres móveis de tipo europeu, mas rapidamente chegaram à conclusão de que era mais prático usar os hábeis artífices chineses. A BGUC conserva alguns textos jesuítas (muito raros) reproduzidos nesta técnica chinesa. Fonte: https://www.uc.pt/anossauc/centrodoconhecimento/xilografico/
Imagem
Documentos sobre a aquisição do relógio, existentes no Arquivo da Universidade 1867, janeiro, 19, Paris PT/AUC/UC/ELU – Universidade de Coimbra (F); Correspondência recebida (SR) – AUC- IV-2.ª E- 11-3-5 Carta manuscrita, redigida e assinada pelo relojoeiro parisiense Borrel enviada ao Vice-Reitor da Universidade de Coimbra (UC), José Ernesto de Carvalho Rego, sobre a instalação do relógio da Torre da UC. O relógio foi adquirido pela Universidade em 1866. Em janeiro de 1867, ainda o relojoeiro Borrel escrevia à Universidade, dando conta do atraso do seu envio e explicava o funcionamento do seu maquinismo. O documento, em papel timbrado da casa comercial Wagner- Borrel, apresenta anúncio com a participação em exposições internacionais em Paris e Londres e medalhas recebidas. Esta casa comercial estava situada na Rue Neuve des Petits Champs, 47. Fonte: https://www.uc.pt/anossauc/centrodoconhecimento/aquisicao_relogio_torre/