segunda-feira, 23 de março de 2020

O assassinato dos lentes


Num período de agitação social devido às disputas entre liberais e absolutistas, dá-se um episódio que marcou profundamente a história da Universidade de Coimbra. A 18 de Março de 1828, perto de Condeixa-a-Nova, uma comitiva composta por membros da universidade e do clero que seguia de Coimbra para Lisboa com o objetivo de prestar homenagem a D. Miguel, foi intercetada por um grupo de jovens liberais pertencentes a uma associação secreta de estudantes designada “Divodignos”. Este ato resultou na morte de dois professores (então chamados de “lentes”) e, posteriormente ao acontecimento, nove estudantes da universidade foram presos, julgados e condenados à morte por enforcamento em menos de três meses. A sentença foi aplicada a 20 de Junho de 1828. 

“… sejão conduzidos pelas ruas publicas desta Capital [Lisboa], ao lugar da Forca, aonde morrerão morte natural para sempre; pela mesma Ordem com que vão nomeados no final desta Sentença, sendo depois decepadas as cabeças, e mãos aos Réos (…) que se prova terem tomado parte mais activa, e cruel na agressão, assassinios, e ferimentos;” 

Apesar de trágico, o episódio tornou-se um símbolo de luta pela liberdade. 


Fábio Monteiro


Fonte da citação: 

- Sentença proferida em Relação contra os estudantes de Coimbra que commetteraõ o horroroso attentado, de assassinarem os lentes da mesma universidade, proximo de Condeixa. Lisboa, Tipografia Patriótica,1828. - www.europeana.eu/pt/item/10501/bib_rnod_255722. 

Sem comentários:

Publicar um comentário