terça-feira, 24 de março de 2020

Coronavírus: os dois lados da moeda 



2020 prometia ser um ano próspero. Com um número redondo e o século a deixar os anos de teenager para trás, foram muitas as expetativas criadas em torno de um futuro promissor. Não, o ano ainda não acabou e nem sequer vai a meio, à data a que este artigo é escrito, mas o mundo foi invadido por uma catástrofe que alguns já tinham previsto, mas ninguém sabia de que forma lidar com a situação. Eventos à escala continental/global (como feiras de Turismo, o Festival Eurovisão da Canção, o Campeonato Europeu de Futebol e, possivelmente, os Jogo
s Olímpicos), outros nacionais (concertos de música no Altice Arena, a exposição de Harry Potter em Lisboa), e ainda locais (a Queima das Fitas de Coimbra) são alguns dos exemplos de cancelamentos ou adiamentos, nestes últimos casos numa tentativa de dar esperança de que este período duro irá passar, como se de uma nuvem negra a cruzar os céus se tratasse. 

Naturalmente, e como já foi mencionado acima, o turismo não foge à regra na medida em que se insere numa das atividades atingidas, sendo, aliás, uma das que mais sofre com a pandemia que se alastra, gradualmente, pelo mundo inteiro. Em Portugal, os museus encerraram, diversas exposições ficaram sem efeito e, com isso, as receitas económicas provenientes da compra de bilhetes estagnou. O ex-libris da cidade de Coimbra, a sua Universidade, é um dos pontos que consta dessa lista. 

. Mesmo havendo museus que encerrem uma vez por semana, a UC nunca optou por fazê-lo. Seria como dar “um tiro no pé”, face à vasta quantidade de visitantes diários que recebe, pelo que se contam pelos dedos de uma mão o número de dias por ano em que a Porta Férrea, de facto, “tira folga”. É de senso comum que não estamos, de todo, sozinhos neste barco, mas tendo em conta que é uma situação deveras inédita, há que refletir sobre as consequências daí derivadas: reservas canceladas para os próximos meses, o Pátio das Escolas vazio em pleno mês de março e funcionários a trabalhar a partir de casa parecem ser as premissas que governam a nossa atualidade. Sabe-se que é um mal necessário para que os aglomerados turísticos possam retornar, num futuro que desejamos que seja próximo. 

Até lá, podemos também concentrar-nos nos pontos positivos, não? Primeiro que tudo, proteger a nossa saúde! Ao impedir o contato próximo entre funcionários e visitantes, diminuímos drasticamente as oportunidades para o coronavírus se rir das (e nas…) nossas caras. Em segundo lugar, permite à Biblioteca Joanina respirar, finalmente, em condições, contribuindo para a conservação mais eficaz dos seus livros. E, em terceiro, auxilia na diminuição da poluição sonora dentro do pátio, dando a D. João III um pouco de sossego em tempos tão complicados. Ah, de dizer também que os animais do Museu da Ciência estão, com certeza, a fazer festas zoológicas diárias entre eles, sem a presença constante de humanos. 

“Até quando?” é a pergunta que cada um de nós anseia por responder. A primeira previsão apontava para duas semanas… agora, é um mistério por resolver. Acredito na expressão “cada coisa a seu tempo” e que, por vezes, estas paragens, ainda que forçadas, sejam necessárias. Pelo bem de TODOS! Há que limar arestas e preparar um regresso em grande. Juntos somos mais fortes. “Vai tudo ficar bem”. J #stayhome 

José Miguel Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário